Um dos grandes desafios nas cidades densamente povoadas é a questão da segurança. Quanto mais pessoas morando num determinado território, maiores são as probabilidades de acontecerem atos de violência dos mais simples aos mais cruéis.

Vários são os fatores que podem desencadear atos de violência que podem ser pessoais, grupais e até comunitários.

Vivemos num sistema capitalista que se sustenta pela desigualdade, pois o que predomina é o acúmulo de riqueza por parte de alguns poucos e a manutenção de uma massa  com parcos salários que tem como objetivo manter a sobrevivência dessa massa de forma precária e controlada atendendo algumas das necessidades básicas como alimentação, moradia e se der algum acesso à saúde, educação e lazer.

Essa desigualdade é muitas vezes camuflada nas grandes cidades, mas quando alguns percebem e se sentem excluídos de usufruir de tudo o que a sociedade de consumo propaga através das diferentes mídias espalhadas em painéis luminosos, vitrines e bens que apenas alguns possuem, acabam partindo para a violência para poder obter esses produtos, com atos como roubos, assaltos, sequestros, etc.

Também  há aqueles que para adquirir bens de consumo, embarcam em atividades ilícitas como o mundo das drogas. Uns como consumidores numa tentativa de fugir deste mundo viciando-se em viver num mundo paralelo que parece não  cobrar tanto, mas que para manter esse vício acabam cometendo atos de violência contra si próprios, contra a família e contra outras pessoas praticando roubos e assaltos. Outros, entram no tráfico de drogas, fazendo dessa atividade o seu caminho para atender o vício do consumismo.  Ambas são atividades que para muitas dessas pessoas não tem volta e na maioria dos casos acaba em tragédias onde as mais comuns são as execuções sumárias.

Outra situação de violência aparece no trânsito, pois algumas pessoas se estressam com o tráfego lento e congestionado dos grandes centros e qualquer motivo pode desencadear atos de violência verbal, física ou material. Atos esses que acontecem na própria via de trânsito, causando ainda mais transtornos para o momento e lugar que já estava tumultuado.

A questão da segurança nas grandes cidades é algo complexo porque tem haver com cada pessoa individualmente e a sua relação com a comunidade. É uma questão que tem haver com o tipo de sociedade que vivemos e como cada um vê, sente e vive essa sociedade.

Algumas questões para reflexão:

  • Você como cidadão se sente seguro na cidade que você mora?
  • Você já foi vítima de atos de violência? Como você se sentiu? Que atitudes você tomou em relação ao caso?
  • Você já presenciou atos de violência? Como se sentiu? Que providências você tomou?
  • Na sua opinião,  quais seriam as causas de falta de segurança nas cidades?
  • Você conhece os órgãos responsáveis pela segurança na sua cidade? Conhece o trabalho desempenhado por eles?
  • Você zela pela sua segurança e de sua família? Conversa com sua família e comunidade sobre esse assunto?

Procurando conhecer e ter claro questões sobre segurança faz toda a diferença em termos de condições e estilo de vida e convivência social.

O mundo humano-social é baseado no equilíbrio  e é vulnerável, por isso não podemos fechar os olhos, nem ultrapassar os limites da boa convivência que se aprofunda com diálogo e gestos de generosidade.